23/07/2013

I Pedal Rapadura de Santana: como foi, quem foi, resenhas e figuras que encontramos na estrada.

COMO FOI:

Conforme já mencionei o pedal no rumo de Caicó encontra-se na sua quinta edição e foi idealizado por um grupo intitulado Ciclistas de Santana, com destaque para os colegas João Augusto e Ismar, responsáveis por organizar anualmente a viagem, ou porque não dizer uma verdadeira cicloromaria.
Em 2013 o Grupo Rapadura Biker resolveu topar a empreitada e fizemos uma programação de três dias, de modo a não ficar tão exaustivo e possibilitar a um número razoável de colegas a satisfação de participar do evento. Para tanto criamos um grupo no WhatsApp e pulverizamos entre diversos membros que já utilizam tal ferramenta. Estabelecemos número de participantes e prazo final para inscrição, pois a nossa logística não é profissional, mas tem como fundamento a responsabilidade compartilhada. Foi a melhor escolha, pois fechamos um grupo de vinte pessoas e lamentavelmente deixamos diversos colegas de fora, pois não atentaram para a questão do prazo, perdendo assim a cobiçada vaga. Na minha opinião o modelo foi aprovado, mas como sempre digo, sou integrante de um grupo e estou aberto a ouvir todas as opiniões.
Fizemos a reunião preparatória e ali senti uma energia muito boa do grupo, coisa aliás já percebida nas conversas no WhatsApp, com muita animação, expectativa e entusiasmo.
No dia e hora marcados nos reunimos no ponto de concentração e com um pequeno e justificado atraso de 15 minutos deixamos o Posto Emaús, adentramos na rodovia, passamos por Macaiba, seguimos pela Reta Tabajara e alcançamos a BR 226 até Currais Novos, alcançando então a BR 427, que nos deixaria em Caicó. Registre-se aqui as companhias de Carlinhos Verona (na saída) e Hiram Lima (até o café da manhã nas Marias).
O primeiro dia foi muito tranquilo e rapidamente chegamos ao local programado para o café da manhã. Por incrível que pareça o estrago foi pequeno e ainda vi um restinho de cuscuz em alguns pratos. Pegamos o rumo e não demorou alcançamos Tangará, oportunidade em que encontramos Helena e o Pinto, seguindo para Lagoa Nova. Depois de abastecidos e com uma rápida parada em Serra Caiada,  chegamos em Santa Cruz do Inharé por volta das 13h30min. Todos terminaram bem e não tivemos nenhuma intercorrência. Seguimos direto para a Padaria e Restaurante Seridó, no Centro da cidade, local muito bom e aprovado por todos os ciclistas. Comida boa, muita variedade e preço justo. Atendimento excepcional, com destaque para a presença do proprietário sempre preocupado em atender bem. As hospedagens foram nas Pousadas Nova Aliança e Tropical e tudo ocorreu dentro da normalidade. No fim do dia ainda tive tempo de visitar a estátua de Santa Rita de Cássia na companhia de Guilherme Lima, aproveitando para agradecer pelo sucesso do primeiro dia. A noite chegou e novamente nos reunimos na Seridó e ali fizemos os combinados para o dia seguinte.
Saímos de Santa Cruz por volta das 06h40min e o tempo estava nublado, ótimo para pedalar. Subimos a Serra do Doutor e por volta das 11h15min já estávamos em Currais Novos, local escolhido pelo grupo para o nosso almoço. O estabelecimento escolhido foi a Churrascaria São Sebastião, cujo proprietário o senhor Eurides, revelou também ser ciclista. Local limpo, climatizado, comida boa e preço justo, com atendimento muito bom. Chamou a nossa atenção que diante da falta de um bicicletário o proprietário permitiu que todas as bicicletas fosse guardadas dentro da churrascaria. Solução simples e que não machucou ninguém. Exemplo que deveria ser seguido por alguns comerciantes insensatos existentes nesse mundo. Necessário registrar o encontro com Márcio Leite, representante do Grupo Ciclistas de Natal, prestando assistência aos colegas que não conheciam a cidade.
Depois de abastecidos e ainda com o tempo nublado deixamos a Terra da Xelita às 12h40min cientes de que pela frente teríamos o trecho mais enfadonho da viagem, principalmente até Acari. Foi dito e feito, sendo visível o cansaço nos semblantes dos colegas, mas com persistência e determinação chegamos na cidade mais limpa do Brasil por volta das 15h00min. Ali nos encontramos com João Augusto, de quem recebemos informações sobre a programação na chegada em Caicó. Consigne-se que o trecho foi o mais longo e com muitas ocorrências de pneus furados.
Ainda com o sol alcançamos Jardim do Seridó, cuidando cada um de seguir para suas estalagens (Conceição Palace e Amarelão). Locais simples, porém possibilitadores de uma boa noite de sono.
O dia amanheceu com um friozinho bom e novamente Sant´ana nos protegia, pois apesar de nos restar apenas 50 Km sabíamos que quanto mais próximo de Caicó mais elevada seria a temperatura. Foi seguramente o melhor trecho da jornada, pois além do sol não nos perturbar, o vento de popa nos conduziu tal qual uma caravela. Quanto faltavam 10 Km Guilherme Lima resolveu pedalar e deixou o pai todo orgulhoso ao entrar pedalando na Capital do Seridó.
Entramos todos juntos e seguimos ao ponto de concentração - ASSEC - local em que nos encontramos com os demais ciclistas. Por volta das 11h30min o grupo de ciclistas seguiu em comboio até a igreja Matriz e ali nos foi dada a benção do pároco. Foi um momento muito emocionante e deu gosto ver o povo nas ruas saudando os ciclistas com euforia.  
Em Caicó tivemos a grata satisfação de conhecer Diego Borges, ciclista da cidade que nos recepcionou e disponibilizou uma casa para banho dos ciclistas. Tivemos também o prazer de sermos recepcionados por Marice, a Baronesa de Caicó, também conhecida como a garota da Camiseta Molhada do Rapadura Biker, por Dona Terezinha (mãe de Neide) e demais familiares desta. Pois bem, o fato é que Marice usou sua força para abrir a Casa da Cultura de Caicó especialmente para os Rapaduras Bikers, possibilitando assim um mergulho na cultura do Seridó. Não bastasse isso, tivemos a simpatia do Diretor e pessoas ligadas à Casa da Cultura, além de suco gelado e uns pãezinhos deliciosos. Tudo com muito amor, simpatia e carinho.
Enfim, esse foi o nosso I Pedal Rapaduras de Santana. Foi tudo muito bom e com certeza será repetido muitas vezes. Valeu Rapaduras!!!!

QUEM FOI:
ALEX ALCOFORADO - codinome: "O LINDO". É objeto de estudo do Massachussets Institute of Technology pois utiliza um combustível pouco comum para conseguir pedalar por várias horas seguidas sem a utilização de água ou qualquer repositor. O homem é movido a beijos da Lindinha e quando ela não está por perto ele fica mais pregado do que remela em olho de menino buchudo.
ALUÍSIO - codinome: "PIRRAI". Foi contratado da equipe Ferrari para dirigir uma das viaturas de apoio do Rapadura Biker. No primeiro dia sua voz sequer foi ouvida, mas na chegada em Caicó ninguém conseguiu mais modular no rádio, pois somente se ouvia a Rádio Pirrai.

ANGELIKE - codinome: "ESTELITA ou GELIKE". Talvez por viver envolta em livros a mulher é pura contemplação. Durante toda a viagem retratou com sua máquina Yashica todos os cachorros vira-latas que atravessaram o nosso caminho. Quando nas proximidades de Caicó demonstrou mais uma vez seu inexorável amor pela natureza ao colocar uma pedra no meio fio, tratando o mineral como se fosse uma pessoa.
BENILTON - codinome: "TENENTE VASSOURÃO". Cansado de pedalar na frente e resolvendo ver os colegas pela retaguarda, assumiu a vassoura do grupo nos últimos dois dias da viagem, tendo como consequência adquirido uma sinusite de tanto peido que cheirou.

BENÉ LIMA - codinome: "PROFETA GENTILEZA". O cavalheirismo chegou aqui e parou. O homem é mais polido do que couro de gibão. Fez um verdadeiro curso de paciência nessa viagem, repetindo intimamente o seu mantra internacionalmente conhecido: "vão pra p... seu bando de carai".
CLAUDIA CELI - codinome: "DERETORA". Não se sabe se por milagre de Sant´ana ou se por conta das reclamações do marido, a mulher conseguiu percorrer os quase 290 Km falando pouco, mas mesmo assim ainda conseguiu ficar afônica em Jardim do Seridó. Por muito pouco não tomou o microfone das mãos do padre na hora da benção aos ciclistas.

EDUARDO CAMPOS - codinome: "JUAREZ". Especialista em cordas do Rapadura Biker, o homem é também conhecido por sua falta de modéstia. Apenas para exemplificar no momento da saída de Jardim do Seridó ele preferiu ficar dormindo na pousada e alcançou o grupo após 20 Km percorridos. Chegou totalmente descansado e ainda tirando onda. Dizem que lamentou muita a ausência do seu parceiro de reboque, o Big Rock (Rochinha).
ERIMAR - codinome: "CABO RAPADURA". Fez uma promessa à Sant´ana pedindo para ser reintegrado ao grupo Rapadura Biker, pois tinha contra si uma sindicância em andamento por abandono do posto. Foi visto treinando em Fortaleza para ver se aguentava o Pedal de Santana, tendo inclusive comprado uma bicicleta dobrável, levando-a inclusive quando ia ao banheiro fazer suas necessidades.

FABINHO - codinome: "FRANGO BOM TODO". Depois de largar a vida de dançarino do grupo Kaoma, de ter dançado em vários shows de Gaby Amaranto, Banda Calipso e Chamego de Menina, tendo também ensinado um tal de Carlinhos de Jesus a fazer piruetas, o homem recusou um convite para ser jurado na Dança dos Famosos e resolver montar uma escola de dança intinerante, utilizando a bicicleta como meio de transporte. Deu aula de dança em plena BR e seu grande segredo nos pedais é pegar uma banguela.
FÁBIO VALE - codinome: "ZÉ DOS REMÉDIOS". Quem viajar com ele pode ficar doente tranquilo, pois ele tem uma "necessaire", cor fúcsia, em cujo interior existe todo tipo de remédio. De dor na unha do pé até esofagite, o cabra sempre tem uma droga para ministrar. Não bastasse isso, faz questão de fazer propaganda do seu laboratório.

FLAVIO - codinome: "BERENILSON". Diretor de Tecnologia do Rapadura Biker, ele está desenvolvendo um manchão para pneus à base de couro de raposa e bosta de vaca, garantindo assim total autosuficiência ao ciclista, pois em caso de pneu arrombado é só olhar de lado é pegar a matéria prima.
GUILHERME LIMA - codinome: "GRILO". Ao contrário do bicho que originou seu apelido esse menino sofre de um grave problema de insônia. Conseguiu dormir durante todo o trajeto, tendo começado sua saga sonífera no Posto Emaús e somente acordado na hora que soltaram os fogos em Caicó.
GRAÇA - codinome: "MÃE DO LINDO". Depois de muitas promessas resolveu sair do casulo e entrou para a equipe de apoio do Rapadura Biker, enfrentando a estrada e dirigindo o carro do seu filho Lindão. Só tenho a dizer que é uma graça.


JAC - codinome: "IRMÃ". Seu apelido foi obra de Júnior Verona, que insiste em chamá-la de irmã. Na verdade outra versão surgiu para o origem do nome: somente sendo uma freira para ter tanta paciência e aguentar Moab Reieira. 
JOSIAS - codinome: "SARGENTO". Não se preocupa com problemas mecânicos na bicicleta, pois caso ocorra faz o percurso correndo. É conhecido por seu fastio. De acordo com uma testemunha mantida sob proteção, o Exército Brasileiro tem preferido dispensar o militar do serviço com a finalidade de economizar comida.
JULIANA CANTERO - codinome: "JU AMOR". Mais sensível do que couro pelica, a mulher nunca foi vista dando um grito. Fica envergonhada com facilidade, mas basta a aproximação do seu amor para ela já ficar toda derretida, "que nem manteiga".
JÚNIOR VERONA - codinome: "PEDRO GOMES". Leva no bagageiro da bicicleta uma maletinha que deve conter alguma substância secreta, provavelmente alguma raiz extraída lá em Bento Fernandes. O homem continua um mistério: passa seis meses sem pedalar e quando resolve subir na bike já é pra fazer 290 Km.
MILTINHO - codinome: "FILÉ". Passou uns meses sem pedalar, pois estava exercitando sua paciência em terras chilenas. Segundo um informante internacional do Rapadura Biker, o homem foi treinar para o Pedal de Santana atravessando várias vezes o deserto do Atacama.
MOAB - codinome: "REIEIRA". O apelido fala por si só, mas cumpre informar que foi ele mesmo que informou tal nome. É outro rapaz com problemas de anorexia, um caso a ser estudado. Aproveitou o Pedal de Santana para fazer um documentário para a National Geographics, tirando foto e filmando até camisinha usada jogada no aceiro da estrada.
NEIDE - codinome: "NEIDE DO GÁS". Sua fama já foi objeto de postagem nesse blog. A mulher só pedala na pressão e triste daquele que fica na sua retaguarda. Não bastasse ser expert em flatulências, é também conhecida por sua fama de perder com facilidade as coisas que carrega consigo, sendo capaz de esquecer a própria bicicleta e sair pedalando sozinha.
OTHON - codinome: POETA OTHONIEL". Faz rima com tudo e tira um retrato a cada quilômero percorrido. Possui um arquivo secreto com um milhão de fotos de todos os ciclistas do Rio Grande do Norte. Diz a lenda que no dia que ele resolver publicar as fotografias que tem em estoque a Internet vai dar um pau que não tem no mundo quem conserte.
SERGINHO - codinome: "TEDA". Veio pedalar por amor ao esporte e ao grupo. Fez todo o trajeto com uma hemorróida de botão, daquelas que dói até em caso de bufa suave. Passou o trajeto todinho falando em mulher, ou seja, a esposa, as filhas e a mãe.
THAISE - codinome: "A LINDA". Válvula propulsora do Lindão, ela leva na cintura uma verdadeira cartucheira contendo de protetor solar a talco pom-pom. Sentiu uma dor no joelho, mas como diz o poeta Bené: "antes uma dor no joelho, a uma dor de cotovelo".
UILLAMY - codinome: "UIPEIRO". Foi o segundo pedal longo dele com os Rapaduras. Aparentemente passou no teste, pois conseguiu aguentar nossas brincadeiras e em nenhum momento pediu arrego. Diminuiu um pouco o peso da mochila que carrega, pois da última vez tinha até uma barraca de camping para três pessoas e uma caminha de cachorro.

AS RESENHAS:

ROLA DOCE PRA TODO MUNDO: Quanto estávamos jantando na Padaria Seridó em Santa Cruz aproximou-se um senhor, provavelmente gerente do estabelecimento, fazendo uma indagação aos integrantes da mesa: "Vocês já experimentaram o rola doce?". Fábio Vale chega revirou os zoinhos e disse que queria conhecer o rola doce. O homem afastou e voltou alguns segundos depois com um prato com quatro pães no estilo sonho de noiva e disse: "Experimentem e digam se gostaram". De início todo mundo ficou encabulado, mas quando menos se viu a rola já tinha sido toda consumida. Teve até quem repetisse a dose de rola. Soube até que teve gente levando rola pra viagem.

O(a) rola doce.

CHAMA O CAÇA PRAGAS: Não sei por qual motivo mais na pousada em que ficou a maioria do grupo aconteceu um fenômeno interessante. Os apartamentos de um lado estavam repletos de muriçocas, ao passo que do outro lado nem sinal das malditas. Saímos em busca de jantar, mas o interesse do Fabinho Bom Todo não era a comida, optando por comprar um tubo de detefon, que deixou guardado no carro enquanto jantava. Estava eu no quarto com Claudia Celi quando de repente chegou Guilherme Lima batendo na porta, dizendo: "Pai, eu mesmo não vou dormir ali não". Perguntei: "O que houve?". Ele disse: "Os caras borifaram detefon dentro do ar-condicionado. Não, tô fora!".

ENCONTRO COM CICLISTA EM CURRAIS NOVOS: Depois do almoço deixamos Currais Novos com uma preguiça linda. Como estava na vassoura, vi aproximando-se rapidamente um ciclista, buzinando feito um maluco. Cumprimentei e ele novamente buzinou e assim prosseguiu, passando por Juliana, Berenilson, Sargento Josias e pelo Cabo Rapadura, sempre apertando a buzina. Chamei o Sargento pelo rádio e disse: "Atento Josias, cola no elemento e consiga o nome dele". Josias nem piscou e encostou no homem. A minha intenção era tão somente registrar no blog a alegria daquele ciclista, mas ocorre que logo em seguida a bicicleta de Ju furou o pneu e tivemos que parar. Não demorou e o cidadão encostou. Apresentou-se e começou a falar sobre o seu projeto de realizar um pedal de resistência de Currais Novos a Pau dos Ferros. Disse rapidamente quais as regras e uma delas notadamente nos chamos a atenção: "se o ciclista ultrapassar o chefe do pelotão uma vez, perde o direito de tomar o café da manhã. Se ultrapassar uma segunda vez, fica sem o almoço". O Cabo Dantas gostou muito da ideia e deu corda ao cidadão, dizendo que ia propor esse método no Rapadura Biker. 

SERESTÃO EM JARDIM DO SERIDÓ: Enquanto Claudia Celi e Ju caíram no sono, formamos um pequeno grupo para dar uma voltinha a pé pela cidade, observando os casarios e conhecendo um pouco da cultura do lugar. Quando chegamos em frente a uma igrejinha estava havendo uma música ao vivo em um barzinho de esquina, com aspecto altamente familiar. Alguém sugeriu tomar uma cervejinha para relaxar a musculatura e auxiliar no sono. O pleito foi acatado e pedimos uma única e sozinha gelada. Acontece que o cantor, como se tivesse sido instruído por alguém, resolveu tocar logo uma música de Pinto do Acordeon, de forma que Fabinho Bom Todo saiu rodopiando no meio do calçamento, sozinho, mais alegre do que pinto em beira de cerca. Rodou, rodou e quando deu fé parou ao lado de uma moça em uma mobilete. Deu uma pausa e olhou todo animado para a garota, ela de imediato respondeu com um sorriso no melhor estillo Pedra da Boca: sem nenhum dente. O Frango logo parou de dançar e resolveu que o melhor era ir dormir. Acontece que a dona do bar não tinha troco pra nota de cem e fomos obrigados a tomar mais três cervejas. Não demorou e o telefone de Berenilson tocou. Do outro lado ainda consegui ouvir: "Amor, onde você está amor?". Resposta: "Oi Amor, estou aqui esperando o troco, ouvindo Pinto do Acordeon e lembrando de você". Ainda ouviu o desfecho: "Amor, acho bom você vir embora, pois posso pegar no sono e não conseguir abrir a porta". E o final: "Ok Amor". 
Chegando ao hotel entrei no meu quarto e fiquei ouvindo Berenilson batendo levemente na porta e sussurando: "Amor, abra a portinha Amor". Não sei o desfecho, mas ouviu no dia seguinte o recepcionista comentando sobre um ciclista que dormiu no sofá da recepção.

PROFETA GENTILEZA COM FOME: Enquanto aguardávamos a benção do padre e a chegada dos últimos ciclistas, Bené, o Profeta Gentileza, teve um surto de fome e adentrou com mais de mil rumo ao balcão do bar da ASSEC. Uma testemunha, cujo nome será preservado, ouviu o seguinte diálogo entre o Profeta e a a moça do bar: "Tem o que pra comer?". A garçonete tratou de entregar o cardápio a ele, obtendo a seguinte pérola: "Tá doida, vou comer papel é???".

A FREQUÊNCIA DO AMOR: Durante todo o trajeto nos chamou a atenção o confabular de dois ciclistas via radio. "Amor na escuta, atento Amor". Em determinado momento tivemos a seguinte situação: "Atenta Amor, qual o seu QTH?". Resposta: "Amor, estou ao seu lado, me dê a mão".

O HOMEM DO TEMPO: Novidade no Pedal do Rapadura Biker foi a inauguração do serviço do tempo, com informações atualizadas em tempo real acerca das condições do tempo. Durante todo o trajeto era anunciada a temperatura e a "humildade" relativa do ar.

DEPOIS NÃO DIGAM QUE NÃO AVISEI: Depois de Caicó uma parte do grupo foi até a Serra do Mulungu, nas proximidades de São João do Sabugi, visitar Chico Filó e sua simpática família. Lá nos foi servido um banquete, passando de arroz na graxa de galinha até canjica com erva doce. Desnecessário dizer que todo mundo comeu demais. Neide do Gás, depois da terceira terrina de canjica, ainda achou espaço para descer umas duas cocadas brejeiras goela abaixo. Quando ela conseguiu levantar da mesa e antes de chegar no alpendre já foi logo dizendo: "Tenho pena de quem vai voltar no mesmo carro que eu". Fiquei com aquilo no pensamento e quando cheguei em casa já estava na WhatsApp: "Na volta para Natal, nas proximidades de Acari, os ocupantes de um carro tiveram que sair correndo para não serem intoxicados com uma bufa azeda, daquelas que cega até olho de vidro". É isso que dar fazer mistura. 

FIGURAS QUE ENCONTRAMOS NA VIAGEM:


Zé Leite: barbeiro em Jardim do Seridó.

Participantes da Cavalgada no rumo de Sant´ana.

Sargento Josias com Chico Filó e sua esposa na Serra do Mulungú.

Ciclistas amigos em Jardim do Serídó.

Neide e Graça com Diego Borges em Caicó.

Com Eurides (churrascaria São Sebastião) em Currais Novos.

Com João Augusto em Acari.

Com Mário Bedóia em Currais Novos.
Claudia Celi com Ismar.

Com Marice, Terezinha, familiares de Neide e pessoal da Casa da Cultura.

O Pinto.