18/01/2012

Pedal das Prais Potiguares 2012: Quem é quem.

Caros Rapaduras:

Como uma forma de homenagear aqueles que participaram de no mínimo dois dias da nossa cicloaventura e para que não exista nenhuma dúvida acerca de quem é quem, segue um pequeno perfil, fruto de diversos estudos e observações efetuadas durante os seis dias de pedal.
Esclareço, desde já, que os textos produzidos são de natureza ficcional, de forma que se alguém se sentir atingido em sua integridade moral, por favor entre em contato com a ORB (Ouvidoria do Rapadura Biker) e faça uma reclamação, por escrito, em máquina datilografada, em três vias (carbono), datada e assinada com o respectivo reconhecimento da firma.
A ordem de colocação dos nomes não seguiu nenhum critério. Fui digitando na medida que ia lembrando. É possível que algum nome tenha sido esquecido, mas imploro que me lembrem para que possa inclui-lo.

BENILTON - “Capitão Nascimento”: Chato, turrão e metido a cumprir horário. Deu a hora vai embora e não olha nem pra trás. Seu lema é: “Tudo ao redor do buraco é beira”. É seguidor da tese de Doutorado aprovada com louvor na Universidade de “Selamanca” de qe todo ciclista após uma pedalada de mais de 50 Km faz jus a duas cervejas geladas.

CLAUDIA CELI - “Primeira Dama do Rapadura Biker”: Na infância ao invés de leite, tomou água de chocalho. Quanto mais fala, mais tem vontade de falar. Se o marido permitisse ela em pouco tempo já administraria as pousadas e os restaurantes pelos quais passamos.

GUILHERME LIMA: “Grilo: Trocou as férias com os amigos para pedalar com uma ruma de doido, o que significa dizer que o menino tem tendência para doidice. Demonstrou fortes aptidões para ser locutor de radio: "Segue o passeio Rapaduras!!!".

SEU KUKA - “Romualdo”: Até um dia desses a única bicicleta que ele conhecia foi quando no jogo do ABC o cabra fez um gol maravilhoso. Depois de muita aporrinhação da mulher e de uma promessa feita a Cláudia Celi, resolveu sair por ai pedalando e hoje não quer mais parar. Seu sonho de consumo é fazer o “Roteiro do Espetinho”: sair pedalando por todos os espetinhos das esquinas de Natal.

NEIDE – “Neide do Gás e da lavanderia”: É a garota propaganda de todas as empresas de telefonia celular operando no Brasil. Em 2012 já perdeu 15 celulares e sua meta é atingir 300 até o final do ano. Outro dia esqueceu do que tinha acabado de esquecer. Tem PHD em lavagem de roupa e foi eleita por unanimidade a Diretora do DLRRB (Departamento de Lavagem de Roupa do Rapadura Biker), pois mal chega em um lugar e já vai pegando uma barra de sabão e uma pedra de anil, mandando ver na arte do lavatório.

FABIANO SILVA - “Fabiano Bad Boy”: Oriundo dos movimentos ciclopopulares, rendeu-se ao mundo capitalista ao aceitar tomar um energético doado por Bené. Sua meta é conseguir parar de cagar mole, pois depois que tomou o “Bad Boy”, não pode ver uma placa de energético que começa a limpar a bunda com antecedência.

ANDRÉ MEDEIROS - “Jim das Selvas ou o Velho Faceta”: Além do seu forte espírito altruísta, pois outro dia interrompeu o ato de pedalar pra ficar conversando com uma vaca que estava triste encostada no mourão,  André revelou na última viagem um extraordinário talento para o canto. Sua voz melodiosa lembra muito o som do peido de uma jumenta parida. Tem também o dom de fotografar com a máquina e o fotógrafo em movimento.


JADSON - “Lacraia, Homem Doido ou Crazy Man”: Já pedalou mais, porém depois da viagem de Florânia o homem entrou numa de “ficar apaixonado” e passou a viagem do litoral o tempo todo olhando para as estrelas e contemplando a lua, esquecendo, no entanto, que o seu grande inimigo era o sol. Tem um grande talento para dança e é o único que após uma pedalada de 100 Km ainda tem gás para dançar um forró e desentupir uma fossa.

ERIMAR - “Poliglota”: Revelou um talento nato para línguas. Fala o francês fluentemente, desde que não arranquem seus braços. Tem uma enorme capacidade de ouvir as pessoas e quando você menos espera ele chega perto de você com uma caixa de ferramentas e a solução para o seu problema. É o seu “Craisson” do Rapadura Biker.

JEAN CLAUDE - “Gringo Original”: Espião francês introduzido no Rapadura Biker com o propósito específico de estudar de que material é composto Júnior Verona. O resultado de sua pesquisa servirá de subsídio para o projeto aerospacial do Governo da França. É um profundo conhecedor da fauna marinha, sendo especialista no peixe “siri + gado = sirigado”.

JÚNIOR VERONA - “Doutor Júnior ou Pedro Gomes”: É uma verdadeira anomalia genética. O homem passa dois meses sem pedalar e quando volta faz um longão de 90 Km como se tivesse passeando na Rota do Sol. É feito de um material diferente e desistiu da viagem quando descobriu que era investigado pelo francês Jean-Claude.

PROFESSOR RAIMUNDO - “Raimundão”: É o homem que tem mais quilômetros rodados do Rapadura Biker. Começou a pedalar com a chegada dos portugueses na costa brasileira, Ao ouvir o famoso “terra à vista” o homem saltou da caravela, apeou na sua bicicleta (um celelífero) e saiu desbravando as terras brasileiras. Já gastou 500 ciclocomputadores e seu projeto de vida é pedalar até Fernando de Noronha, dependendo tão somente da ponte do conterrâneo Miguel Mossoró.

OTHONIEL OTHON - “Dr. Othon”: É um dos dentistas do Rapadura Biker. O homem é mais zen do que mestre Confúncio e pedala mais do que muito menino de 18 anos. É outra lenda viva do Rapadura Biker e tem como grande característica o fato de registrar em foto e vídeo todos os pedais que participa. Diz a lenda que ele armazena todo o material coletado em um HD virtual mantido em uma base secreta do governo americano. As imagens coletadas por Othon são tão secretas que nem ele mesmo sabe onde encontrá-las.

SERGIO - “Sergio Teda ou Serginho”: É um discípulo do ciclista Juarez. Todo pedal que é agendado é o primeiro a confirmar e também o primeiro a faltar. Suas grandes especialidades são em áreas distintas: bode e minhoca. Seu grande desejo é fornecer alimentos para a Rede MacDonalds, somente não se sabe ainda qual vai ser o ingrediente do hamburguer.

SHIRLEY TRINDADE - “A Lady do Rapadura”: É uma verdadeira monja budista. A mulher pedala em silêncio total, sendo capaz de viajar por vários dias somente sorrindo e balançando a cabeça. Nessa última viagem a mulher quebrou as couraças e demonstrou a todos que em 2012 a conversa é outra. Sua frase de efeito é: “Quem vive de passado é historiador”.

MOAB - “Joab, Cohab, Zoab ou Hamurábi”: É um empreendedor nato. Para viabilizar sua viagem o homem reuniu sua clientela e vendeu antecipadamente 500 pacotes de papel gudan, garantindo assim que sua clientela ficasse abastecida durante os dias que passaria fora. É especialista em detectar viados de duas patas e mais especialista ainda em imitá-los. Ultimamente tem direcionado seu foco para o ramo de museus, motivo pelo qual se encontra mais circunspecto e macambúzio.

JAC - “A Mulher de Preto”: Muito calada e reservada, no entanto, demasiadamente observadora. Seguidora do movimento “Cycle Chic” seu grande sonho é chegar no restaurante mais caro de Natal e entregar a bicicleta ao manobrista, recomendando-o para que tenha cuidado na hora de estacionar. Ultimamente vem direcionando suas energias ao seu fiel companheiro de pedaladas e o seu lema é: “Juntos chegaremos”.

ALEX ALCOFORADO - “Lindo”: Recebeu esse apelido da única pessoa capaz de achá-lo lindo, sua namorada. É um dos geólogos do Rapadura Biker e sempre que se depara com uma pedra (rocha) desce da bike e faz uma análise de suas características, de modo que muitas vezes não percebe que o grupo continua pedalando. Nessa última viagem levou tanta bagagem que alguns chegaram a indagar se ali não estava o seu material para análise geológica do terreno a ser pedalado.

THAISE - “Linda”: Recebeu o carinhoso apelido do seu namorado e diferentemente dele ela faz jus ao nome. É adepta de vários esportes e pedala como se estivesse entrando no nirvana. Tal qual o seu namorado ela também levou bagagem para passar uns seis meses viajando. Se a viagem fosse de avião ela ia pagar excesso de bagagem sem nenhuma dúvida.

ROBERTO CARLOS - “o Rei Roberto Carlos”: Chegou no Rapadura Biker bem caladinho pedindo apenas para comer um ovo. Bastou ficar três dias na companhia dos Rapaduras que o homem soltou-se e mostrou sua irreverência e sua iniciativa. Tem forte inclinação para ser garçom, faz bico de massagista, vende seguros, ajusta freio de sapo e sua especialidade é pedalar na areia fofa. Seu grande sonho é pedalar no deserto do Saara com uma garrafinha cheia de limonada (com casca).

GENIVAL - “Geni”: Outro que chegou caladinho, mas hoje já é capaz de cantar o hino nacional da Eslovênia, debaixo d´água e com um apito na boca. Sua grande especialidade são os esportes marítimos, notadamente quando envolve grandes travessias e barcos que ofereçam muita segurança. Quebrou o recorde mundial de silêncio no radio, sendo capaz de pedalar de Caiçara até Galinhos sem que sua voz fosse copiada por qualquer dos outros operadores.

RENATO MAGALHÃES - “Magal das Praias”: Representante da comunidade ciclística de Mossoró. O homem chegou no Rapadura Biker mais calado do que monge que fez voto de silêncio. Não demorou muito e incorporou o espírito do Rapadura, mostrando-se bastante solidário em todo o trajeto. Quando estava nas proximidades de Morro Pintado resolveu beijar o chão do lugar e por tal motivo recebeu o título de PPP (Papa do Pedal das Praias): “Habemus Papa”.

GRINGO - “Nilton Marcelino ou Gringo do Paraguai”: Integrante do Grupo Rodas do Asfalto, de Macau, Gringo é o verdadeiro homem câmera. Filma tudo que passa perto dele. Pedala em silêncio, mas sempre atento para efetuar um click.

VALENTINA - “a líder do Grupo Valentes Bikes”: Pedala com uma mochila que tem de tudo e a grande maioria dos objetos são cor de rosa. Cansada de tanto pedalar resolveu inovar ao chegar em Barra de Maxaranguape, mergulhando com bicicleta e tudo, criando assim a unidade anfíbia do Rapadura Biker.

ESAM ELALI - “Ezam”: O homem ao que parece tem couro de sapo, pois em Sagi enquanto todo mundo aparentava frio ele resolveu entrar na piscina e ali ficou por um bom tempo. Pedalou dois dias com os Rapaduras e passou nos primeiros testes. Resta agora saber se ele está disposto a enfrentar o batismo de fogo: “a bicicleta cargueira”.

JULIANA CANTERO - “Personal Bike”: Entrou muda e saiu calada. Mais discreta do que absorvente íntimo, a moça não me deu nenhuma oportunidade para eu recheasse o perfil dela.


CARLINHOS VERONA - “Olhos de Mel": É mais um integrante da família Verona Veículos. O cabra também tem suas origens em Mossoró e dai vem a explicação de sua facilidade em pedalar no sol forte. Há notícia de que a suadeira é tanta que ele chega a encher quinze garrafas pets de dois litros a cada pedalada.

FELIPE CENTAURO - “Felipe Macaquinho”: É magro de ruim, pois o bicho come bem. Ficou mundialmente famoso ao ousar nos seus modelitos, utilizando sem nenhum pudor um macaquinho para pedalar, no melhor estilo maiô catalina. Diz a lenda que até o momento ainda não conseguiu livrar-se da macarronada estragada que comeu juntamente com Carlos Camboim.

LUAN - “Luan Santana”: Dirigiu o carro de apoio por dois dias. Depois de umas "atoladinhas" no primeiro dia o menino deslanchou e já saiu do pedal com vontade de fazer a inscrição no próximo Paris-Dakar.


SUZY - "Amor": Veio correndo encontrar o marido Serginho em Diogo Lopes. Dirigiu o carro de apoio sempre com um sorriso no rosto. Esqueceu um sapato dentro do meu carro e ganhou como prêmio por dirigir tão bem uma bicicleta novinha em folha. Desse jeito o ano que vem eu vou dirigir também.

DÉLIO REIERA - "Profeta Gentileza": Um cabra com esse nome não carece de maiores informações. O homem pedala há vinte e quatro anos, mas continua reieira do mesmo jeito. É adepto da escola de seu Nonô, portanto, não solta peida pra não gastar cu.

ALEXANDRE - "Parnamirim": Não tive a oportunidade de assuntar muito sobre o rapaz, mas percebi que tem vocação pra santo, pois aguenta pedalar e dividir quarto com Délio Reieira.