19/06/2012

11º Encontro Nacional de Cicloturismo: 3ª parte.


O sábado chegou e com ele veio o sol. Quando olhei para o relógio já passava das 09h00min e Cláudia Celi insistia que eu fosse tomar café. Quando lembrei do chá de camomila e do pão mais seco do que boca de jagunço resolvi estender a dormida por mais um tempo, enquanto ela seguiu pras bandas do refeitório.Aproveitei o sol e feito matuto tirei a camisa pra esquentar o couro. Fiquei no alpendre admirando a natureza e matutando sobre a programação do dia. De repente, não mais que de repente, o rádio sinaliza uma chamada. Do outro lado do aparelho Serginho e Evandro Bebê informam que vão encarar a “Trilha Nuvem Branca”, convidando-me. Pensei um pouco e conclui que meu negócio é bicicleta, quem gosta de nuvem é astronauta ou aviador.Não demorou e Cláudia Celi retornou. Trouxe no bisaco umas fatias de pão e uma garrafinha com suco de laranja. Era tudo que eu queria pra melhorar da azia. Encarei o meu desjejum e começamos a resenhar sobre o dia anterior. Rimos muito de tudo, inclusive do cavalo bufão que continuava ao lado. Brigamos também um pouquinho, somente pra não perder o costume.Resolvemos que não iríamos mais pedalar e iniciei o processo de desmontagem das bicicletas e consequente arrumação nas malas bikes. Enquanto arrumava tudo surgiu seu Kuka, também resolvendo “embrulhar” a sua, pois a de Neide seguiria de “carona” até Juiz de Fora-MG, ponto de partida para a bicicletada no rumo da Rio + 20. Fiquei me coçando para ir, mas os compromissos profissionais não permitiram.Quando terminamos nossa missão o rádio novamente nos chamou. Outra vez Serginho, desta feita querendo saber como chegar ao nosso sítio. Por ai vocês tem uma ideia do local que ficamos, pois os nossos próprios companheiros de viagem ainda não tinham se atrevido a visitar-nos. Não demorou e surgiu na estrada um Fiat Uno. Ficamos sem entender nada. O carro foi se aproximando e topou na porteira, começando a descer gente: Evandro Bebê, Celita e Serginho foram os primeiros. Depois desceram Suzy, Paulo Victor e Júnior Verona.Explico: no dia anterior Júnior Verona resolveu dormir em Campos do Jordão, pois não aguentava mais ficar no zero a zero. Como Vera Lúcia estava hospedada no maior conforto (na base do chocolate quente, pão de ló e pastel do Maluf) com Mariane e Paulo Victor a solução de Júnior foi entrar de penetra no hotel, passando a noite nos braços de Vera Lúcia, deixando assim de ser “obondonado”. O homem alugou um carro e trouxe Paulo Victor para comer um leitão à pururuca que encomendamos aos pais de Andreza no dia anterior.Resolvemos então fazer a farra ali no sítio, já que tínhamos uma área com churrasqueira e forno à lenha, bastante aprazível. Levamos algumas cadeiras, pratos, talheres, copos, vinhos e cervejas. Seu Kuka foi nomeado DJ e em pouco tempo a festa estava pronta. A única ausência do grupo de Natal foi a de Neide, pois resolveu pedalar com o grupo maior até Campos do Jordão. Tal decisão fez com que o título de “obondonado” passasse a pertence ao DJ Kuka.Começamos apreciando um bom vinho chileno, adquirido naquela mijada no supermercado em Campos do Jordão. De repente Evandro Bebê teve a ideia de colocar as cervejas para gelar, improvisando uma freezer com um isopor e água do lago. Foi a cerveja mais gelada que tomei na minha vida.Não demorou e chegou Andreza da Kombi, devidamente acompanhada de sua mãe. Com ela veio o leitão à pururuca e os respectivos acompanhamentos. Comida de primeira qualidade, tudo feito com esmero: como diz Doutor George era “primeira de luxo”. Iniciamos os trabalhos comendo as orelhas do leitão, passando pelo focinho do bicho, seguindo por suas partes mais suculentas até o rabo. Quanto mais se comia, mas vontade de comer surgia. O troço fica com a casca crocante e vem recheado com uma farofa deliciosa, que sozinha já é uma refeição.Nesse meio tempo chegou nosso visitante ilustre, Luizão (Luiz Santana), o segundo homem mais importante de Americana-SP (o primeiro é o pai dele). Fiel ao RIRB (Regimento Interno do Rapadura Biker)  o homem não veio de mãos abanando e trouxe consigo uma panela cheia de arroz capaz de alimentar ¼ da população da China, um tablete de goiabada cascão e outro tablete de queijo (ou doce de leite, não lembro). Ficou conosco neste primeiro momento e nos propiciou bons momentos.Aos poucos o sol foi indo embora e o frio foi tomando seu lugar. Agora quem veio em nosso socorro foi Sérgio, morador da região e responsável pelo sítio que ficamos. Com ele sua esposa Lucinha e suas filhas. Não demorou e o homem providenciou lenha para alimentar o fogão e já foi preparando uma fogueira, pensando no frio que ia fazer mais tarde. Tais providências revelaram-se oportunamente muito eficazes, principalmente quando sentamos em volta da fogueira, nos aquecemos e contamos estórias de trancoso.Enquanto o leitão era consumido e a conversa rolava ao som do DJ Kuka eis que surge no horizonte um ciclista. Diante daquela visão, Kuka que já estava comandando uns bregas na pick-up e já tinha tomado vinho chileno + cerveja + cachaça mineira, não titubeou e disse: “lá vem minha veia”, referindo-se a Professorinha Neide, que saiu de manhã para pedalar e até ali não tinha chegado. A pessoa na bicicleta foi se aproximando e no sentido oposto o DJ Kuka foi para o abraço. Aproximou-se mais um pouco e percebeu que a pessoa era mais alta, musculosa e tinha resquícios de barba. Parou, olhou com mais acuidade e antes de sapecar um beijo e um abraço percebeu que se tratava de Altair, nosso vizinho de sítio. Voltou para o seu banco mais murcho do que chuchu em fim de feira.A festa continuou e quanto mais o leitão era devorado, mas leitão aparecia. Era como se o bicho se reproduzisse na panela.No final da tarde outro ciclista surgiu no alto da serra e após descer uma pirambeira incrível na maior velocidade veio juntar-se a nós. Era Wagner Philadelphi, de São Paulo, natural da região e profundo conhecedor das trilhas do lugar. Trocamos ideias e ficou o compromisso de um dia pedalarmos juntos. Necessário dizer, a bem da justiça, que dessa vez o DJ Kuka sequer levantou da cadeira. Certamente não quis correr o risco de perder um abraço.Refeito do susto Altair veio juntamente com Gabi integrar o grupo. Casal muito simpático. Ele já pedala há algum tempo, ela iniciando, ambos cheios de expectativas. Com certeza pedalaremos juntos nas areias no Chapadão de Pipa, Tibau do Sul e Simbaúma.Finalmente, quando o DJ Kuka já estava perdendo as esperanças, eis que surge entre uma alameda de araucárias uma pessoa vestida toda de preto, montada em sua bicicleta, tal e qual um ninja. Desta feita Kuka não podia errar o tiro, pois pela quantidade de álcool que tinha envergado era um risco levantar da cadeira e caminhar em vão. A bicicleta foi se aproximando e a imagem aclarando. Quando não existia mais dúvida de quem se tratava o DJ Kuka levantou, tal qual uma salamandra no cio, tirou um azimute e fez carreira em direção ao ponto preto, agarrando a professora pelos cós e aplicando um chupão que de tão forte balançou tudo que foi pé de araucária do lugar. Depois dessa demonstração de amor, levou um carão pelo simples fato de ter tomado umas. Não bastasse a reprimenda, a professora ainda manteve o homem “obondonado”, subindo a ladeira para tomar um banho, voltando cerca de três horas depois. Pela demora deve ter gastado uns três sabonetes.A música continuava e desta feita não tocava mais brega, mas o legítimo forró pé de serra, nada mais adequando ao lugar. Luizão, que tinha saído para buscar um pouco mais de arroz, chegou e veio acompanhado de Katy (a Polaca) e Terezinha (Chaveirinho). A simpatia agora era em dose tripla. Teve início então uma prévia da festa junina do Rapadura Biker, cada um pegando o seu par e arrastando os pés no chão frio. Todos os pares estavam perfeitos, porém o que mais chamou atenção foi Paulo Victo e Katy (a Polaca). Como esta é demasiadamente alta a cabeça de Paulão (Zulu) ficou mais ou menos na altura do umbigo dela, bem encaixado. Os olhos dele chega brilharam quando o DJ Kuka catucou a música: “mais raparigueiro do que eu, só papai, só papai”. Enquanto isso, Júnior Verona, sem problema de altura, dançou ainda umas duas partes com “Chaveirinho”, tudo no maior respeito e de acordo com as tábuas de Moisés. Essa galera com certeza também vai nos visitar e vamos fazer um forró pra eles, sem fogueira, é claro.Enfim, após oito horas ininterruptas de funcionamento o MP20 de Kuka travou. Nesse momento o homem travou junto e proclamou para si mesmo que era hora de subir a serra. Olho para o céu, traçou o norte a partir das 3 Marias e tirou numa reta, sendo salvo por Júnior Verona quando estava a 45cm de cair dentro do lago gelado. A sorte é que ele tava com cueca de copinho, daquelas que estica, pois senão não Júnior Verona não tinha aguentado segurá-lo.Refestelados nos recolhemos. Em atenção ao Código de Trânsito Júnior Verona e Paulo Victor resolveram ficar. Soube que dormiram no chalé de seu Kuka e somente acordaram pela manhã quando Júnior resolveu colocar pra fora a pururuca do leitão, limpando o rabo com jornal, arrematando: “cagado, mas bem informado”.Ah, na hora de dormir senti algo incomodando dentro da roupa. Acendi a luz e remexi um dos bolsos da calça encontrando um dos pães de queijo doados por Zé Bonifácio. Olhei para um lado, olhei para o outro e comi o bicho sem deixar rastro.





Preparativos.
Claudia Celi, Andreza e a a mãe.
Aquecendo.
O leitão.
Pururuca.
Lugar agradável.
Luizão.
A Ninja.
DJ "Obondonado"
Fogueira para aquecer.
Forró da molinga.
Mais forró.
Os dois "Obondonados".



Nenhum comentário:

Postar um comentário