09/02/2015

Pedal Pirangi-Pipa: Rapadura Biker e Aventura Mango.

Pedal Pirangi-Pipa


Pedalando na Praia de Malembá
Praia de Malembá
Mais uma vez, tivemos o privilégio de participar de uma pedalada com a turma do Rapadura Biker. Sim, é um privilégio porque sabemos do cuidado com a escolha do trajeto e pelo clima de camaradagem que une os rapaduras. Desta vez, o grupo programou a saída de Natal, mas eu e a Rosana deixamos o carro na Praia de Pirangi e saímos de lá (o que encurtou nosso percurso em uns 13 Km).

O horário de saída foi programado para aproveitar a maré baixa na Praia de Malembá, nos permitindo pedalar tranquilamente até a balsa que faz a travessia de Tibau do Sul. Como iríamos pernoitar em Pipa e voltar no dia seguinte, uma pequena bagagem foi acomodada nos alforjes. O maior peso, entretanto, foi água. Muita água e isotônicos para aguentar o sol de fevereiro.
Saindo de Pirangi, passamos pela Praia de Pirambúzios  - como o nome sugere, é uma espécie de transição entre Pirangi do Sul e a Praia de Búzios. Esta praia é conhecida por ter um mar perigoso para banhos e traz um trecho bastante plano, um “refresco” para o que vem logo em seguida, o maior desafio do percurso: a Ladeira de Tabatinga.

Ladeira de Tabatinga
Visão da Ladeira de Tabatinga
De acordo com o Blog Mad Old Man, a Ladeira de Tabatinga possui 580 metros e a inclinação chega a um máximo de 33%. Nunca havíamos encarado esta “pedreira” e fiquei muito satisfeito em vencê-la com os alforjes na bike. Deve ser dito que, além da falta de acostamento (praticamente uma constante ao longo dos trechos em asfalto), os trechos finais estão cobertos de restos de concreto, tornando tudo mais difícil. A rapadura é doce, mas não é mole ! (veja o vídeo ao final deste post).

Descansamos, registramos a conquista e voltamos ao pedal. Passamos pela parte urbana das praias de Tabatinga, cujo nome provém do tupi tauá-tinga (barro branco),  Camurupim e Barreta até finalmente sair do asfalto e entrar na areia da Praia de Malembá. Estes trechos não possuem grandes desníveis e a pedalada é tranqüila.

Início da Praia de Malembá
Finalmente, saindo do asfalto
Na minha opinião, esse é o ponto alto do percurso: pedalar em uma praia quase deserta, com espaço amplo, vento no rosto, sem pressa. Vale reproduzir uma estrofe da música Cantiga da Noite Nua (e Crua), de Lupe Albano e João Barra:

“Sob a luz do sol que cega
de alegria ao ver teu verde-mar
Lá onde o coração navega
esse mar vem se afogar em mim
eu vim”.


Pausa no pedal - Praia de Malembá
Pausa na pedalada. O tronco virou rack de bikes.
Praia de Malembá
Praia de Malembá
Praia de Malembá
Praia de Malembá. Foto de Benilton Lima
Erosão na Praia de Malembá
Erosão na Praia de Malembá
A praia termina no ponto onde é necessário tomar a balsa para fazer a travessia na Lagoa de Guaraíras e chegar a Tibau do Sul.
Chegando para a travessia da Lagoa de Guaraíras
Bikers chegando para embarque na balsa
Balsa na travessia da Lagoa de Guaraíras
Balsa que faz a travessia da Lagoa de Guaraíras
Na chegada, a cordial e simpática Paula Ribeiro, da Pousada Mediterrâneo, já nos esperava e fomos para uma das barracas de praia. Matamos a fome à base de caranguejos e peixe, regados a cervejas bem geladas. Merece registro a estratégia de Júnior, ao deixar um rádio portátil com a cozinha. Os pedidos eram feitos diretamente da mesa, sem esperar o garçom aparecer. Prático e eficaz!.

Quase ficamos por lá mesmo. Cadê a vontade de continuar a pedalar? Mas, alguns quilômetros ainda nos separavam do destino e voltamos a encarar o asfalto até chegar a Pipa. Logo na saída, levei uma queda boba ao descer da bike. Nada sério, mas trincou a tela do celular Smiley triste

No caminho para Pipa
Um visual destes merece parada. Foto de Benilton Lima
O trecho entre Tibau do Sul e Pipa até chegar ao Santuário Ecológico de Pipa não é muito exigente, com pouca inclinação. Chegando lá uma ladeira mais íngreme me forçou a descer e subir empurrando a bike.

Ficamos hospedados na simpática Pousada Mediterrânea, onde alguns foram de imediato para a hidromassagem que fica no último piso. Desacansamos um pouco e fomos jantar no Restaurante O Quintal, apreciando o prato ganhador do Festival Gastronômico de Pipa, em 2013: Camarão no coco verde. quer um modo melhor de terminar o dia?

Pousada Mediterrânea 2
Organizando as bikes. Foto de Benilton Lima
Pousada Mediterrânea
Foto de Benilton Lima
No dia seguinte, novamente em sincronia com o horário das marés, saímos por volta das 09:30 para retorno à Pirangi e Natal. Valeu, Rapaduras !! Até a próxima.

Voltando de Pipa - Praia de Malembá
Praia de Malembá. Retorno de Pipa.
Mapa do Percurso Pirangi-Pipa
Mapa do percurso. Aproximadamente 73 Km, ida e volta.

Vídeo


 

Dicas e Orientações

  • Protetor solar e roupas leves são imprescindíveis
  • Leve água e mantenha sua hidratação. Caso precise, existem alguns mercadinhos na área urbana das praias de Pirangi, Búzios, Camurupim e Barreta.
  • A travessia de balsa custa R$ 5,00 (fevereiro 2015) para cada ciclista.
  • Planeje seus horários de modo a atravessar a Praia de Malembá na maré baixa.
  • Contatos da Pousada Mediterrânea: Paula (084) 8763-4752 e Rony (084) 9967-4585 http://www.pousadamediterraneapipa.com/
Postar um comentário