12/06/2011

Trilha Junina e Arraiá do Rapadura Biker

A TRILHA:

Na sexta-feira (10/06/2011) recebi via telefone a confirmação da vinda da representação da Paraiba com a finalidade de participar da trilha junina do Rapadura Biker. Às 23h00min chegaram em minha casa os colegas Fernando Amaral, Robertinho e Tony, vindos de Solânea e Bananeiras. De imediato apresentaram um atestado enviado por Agnaldo, justificando os motivos de sua ausência. Verifiquei a autenticidade do documento, conferi e aceitei a desculpa na esperança de que um dia o homem venha pedalar conosco.
Acordamos cedo e seguimos para o tradicional estacionamento em frente ao Plano 100 - local de concentração do Rapadura Biker nos pedais final de semana.
Reunímos dezesseis pessoas (André, Benilton, Evandro, Fernando Amaral, George, Helena, Magela, Moab, Neide, Othon, Rafael, Raimundo, Robertinho, Rodolfo (carro de apoio), Serginho e Tony. O número superou minhas expectativas, pois contava com aproximadamente dez nesse pedal.
Saímos às 08h05min e optamos por um percurso misto, possibilitando terrenos diferentes. Como tinha chovido durante a madrugada encontramos lama no caminho, mas nada que inviabilizasse o pedal.
Quando alcançamos a rodovia "Calçinha Preta" encontramos um despacho de macumba numa encruzilhada. Raimundo, Helena e Neide chegaram bem perto para conferir o conteúdo do "trabalho" e tudo foi registrado em foto. Ouvi dizer, mas não posso confirmar, que teve um ciclista que aproveitou e levou umas frutas do despacho para comer durante o percurso.
Às 10h00min chegamos no Mendes e seguimos para o Bar do Luiz, parada obrigatória dos ciclistas. Como estamos todos íntimos do lugar já chegamos e partimos para a prateleira da bodega e alguém pegou um saquinho de bolo de ovos, abriu, comeu uns três e deixou o saco aberto em cima do balcão. Quem passava pegava um bolo e comia. Quando foi a vez de Seginho pegar o seu bolinho ele verificou que o bicho tava mofado igual a queijo francês. André olhou a data de validade e constatou que o bolo estava tão vencido quanto a sua carteira de habilitação. Nesse momento Neide tinha acabado de colocar o bolo na boca e com a mesma rapidez que o bicho foi a boca ela colocou pra fora. Neide ainda fez o seguinte comentário: "Vi o bolinho verde e pensei que era integral". Era uma verdadeira colônia de bacterias, mas até agora não recebi nenhuma notícia de que alguém passou mal por conta do bolo.
Quando informamos a Luiz sobre o bolo vencido ele nem pestanejou e disse: "Tem nada não, tem outro bem novinho que chegou ontem". O fato é o seguinte: comi dos dois bolos (com mofo e sem mofo) e todos estavam uma "dilícia".
Seguimos por trilha em direção ao Arenã e enfrentamos um trecho de aproximadamente três quilômetros de areia fofa, mas transponível. Helena reclamou mais do que usuário da TIM, mas conseguiu vencer todo o percurso.
Às 11h00min chegamos no trevo de acesso a Laranjeiras dos Cosmes (São José de Mipibu) e ali paramos na tradicional fábrica de doces caseiros. Como de costume fomos comer na cozinha da casa, sendo muito bem recebidos pela proprietária e seus familiares. Moab comeu aproximadamente um quilo de doce, guardando ainda oito potinhos no carro de apoio para comer de sobremesa.
Às 12h00min adentramos no Quirambu Park, nosso objetivo do dia. Seguimos para um banho de piscina e depois deliciamos um almoço farto e barato.
De barriga cheia iniciamos os trabalhos de decoração da festa. No decorrer da tarde chegou mais ajuda (Claudia Celi, Guilherme Lima, Cristiane, Claudia de Cristiane, Angelike, Regina de George, Guga e Dany). As mulheres deram o tom da festa e contribuíram para deixar o local muito bonito.
No final da tarde o pessoal da Paraiba foi embora e segundo ouvi dizer cada um teve um motivo diferente: Fernando Amaral cansou de esperar Seu Cuca para tomar uma. Robertinho foi atender um chamado do pastor da sua igreja e Tony foi receber o dinheiro das vendas do dia, pois o homem passou o pedal todinho fechando negócios por telefone.

A FESTA:

Às 18h00min a fogueira foi acesa. A danada tinha mais ou menos dois metros de altura. Fiz o desafio para alguém "pular a fogueira", porém ninguém aceitou.
A decoração ficou muito bonita e cansei de ouvir essa afirmação durante toda a noite. Aqui vou abrir um espaço para praticar o "nepotismo": essa minha mulher é uma danada. Tudo foi feito na base da amizade e um orçamento muito baixo, mostrando que é possível fazer quando se tem boa vontade.
Às 08h30min Zé Sanfoneiro e seus cabras da peste começaram os trabalhos sanfonísticos. A demora pra iniciar a tocar foi a ausência do cabra do triângulo. Não contei conversa e chamei George para tocar, o homem aceitou e no momento que ia começar os trabalhos o músico chegou e teve início o forró. O pessoal começou meio tímido, mas logo o salão tava lotado.
A galera da Bicicletada mostrou que não é somente boa em cicloativismo, mas que manda muito bem no forró pé de serra. Destaque para Fabiano Silva e Adriana, esta toda caracterizada de matutinha. Teve uma hora que Claudia Celi chegou pra mim e disse: "Benilton de Deus, quem é essa menininha que tá dançando direto com Fabiano Silva?". Respondi: "Tá doida mulé, é a esposa dele, Adriana". Ela disse: "Ah, assim tá certo".
Quem também mandou bem foi Lemos. Na primeira dança parecia um poste daqueles de alta tensão, mas lá pra tantas o homem já tava cheio de molejo.
André não negou sua raízes de São Tomé e mandou bem no forró com Neide do Gás.
Tentei ver Angelike dançando, mas não tive essa felicidade.
Por outro lado, William e Beth (Bicicletada) não pararam de dançar um só minuto. Soube depois que os dois são professores de forró e inclusive atendem em domicílio.
Cristiane e sua irmã Claudia, como sempre muito discretas.
Vitória não deixou o salão nenhum minuto. Parecia uma carrapeta.
Moab (Cohab, Suab, Coad ou Dolab) foi pedalando pra Monte Alegre e voltou no pedal pra Natal. Veio de carro até a festa, dançou feito bailarino do antigo "Zás-Traz" e disse que ainda tinha energia pra voltar correndo pra casa. Acho que esse menino tá fazendo uso do papel Godan que vende.
Bené veio acompanhado de sua filha Bia e tava muitíssimo comportado. Não ouvi nenhum assovio do negão.
Eduardo Campos (Governador) trouxe a primeira dama Ana Rouse, sentou-se perto da porta e passou a noite toda só olhando se o Papa Neto se aproximava, pois este tinha ficado de vir em boa companhia pra festa, mas até o fechamento do blog não existia notícia sobre o paradeiro da figura.
Seu Cuca e o Pinto ficaram de testa tomando uns uísques. Soube que tiveram a visita de um cabra que ficou o tempo todo "pigorando" a bebida, mas isso não impediu que eles secassem o litro.
O Pinto foi dançar e pelo que disseram o homem "tava dançando armado". Seu Cuca ainda ensaiou uns passos, mas logo voltou ao seu trabalho na mesa.
Helena veio comemorar seu aniversário com os amigos. Trouxe um torta que passou a noite toda sendo assediada. A mulher foi botar o Pinto pra dormir e acabou pegando no sono, de sorte que a torta foi devolvida intacta. A solução é congelar e deixar para comer em outra oportunidade.
Revoredo veio vestido de "puliça" e fez muito bem o seu papel: ficou em greve e passou a festa toda dormindo.
O garoto Rafael finalmente apresentou o seu pai ao mundo do pedal, pois até então todo mundo tava pensando que o menino era filho de algum integrante do Bike Tirol.
Camboim finalmente apresentou sua esposa ao  mundo ciclístico: Dona Mônica mostrou-se bastante simpática. O homem também trouxe muitos convidados, um povo bastante animado e sem frescura.
Serginho das Minhocas trouxe Suzi (que tá esperando a bicicleta prometida pelo marido), o irmão Júnior e esposa, e conseguiu a grande proeza de trazer seu Aurino, seu pai, pois o homem tava em casa cheio de saudade de mulher que tá na Suiça. Aproveito para avisar a Dona Zenália (a seguidora mais fiel do blog) que o cabra ficou muito comportado na festa, somente levantando pra receber um brinde no sorteio e para ir embora.
Luciano Cambraia tava com Bela e o filho. O homem tava meio acabrunhado e o mais grave de tudo: tava desprovido de sua máquina fotográfica.
Augusto e Dani muito arrumados. Ele tava parecendo um fazendeiro, o próprio Rei do Gado.
Seu Augusto e esposa bastante animados e prestativos.
Othon e Margareth devidamente caracterizados. Ele também é NDN, ou seja, não dança nada. Da mesma escola que faço parte.
Montinny, Patricia e Heitor também estiveram presentes. Ele passou a festa quase toda correndo atrás do menino, que é pura energia.
Giovanini e Simone trouxeram vários amigos muito animados, dentre as quais merece destaque uma morena chamada pelo carinhoso apelido de BA = Boca de Álcool, isto é, não precisa dizer mais nada.
Afonso Severo veio com a Consulesa Alda e suas cocotinhas. Dançaram muito e ganharam o prêmio de casal mais animado da festa.
Adonai ressurgiu das cinzas e veio acompanhado de Mônica. Estava muito comportado e segundo me disseram a sua nota de R$ 100,00 plastificada foi tomada pelo Banco Central, pois constataram que estava com uma coloração rosada. 
Haroldo Mota conseguiu trazer sua agradável esposa. Como bom ambientalista o homem fez um reconhecimento na área e conseguiu catalogar mais de trezentas espécies nativas plantadas na granja de Júnior Verona. ao lado do local da festa.
George veio pedalando e Regina chegou de carro logo em seguida. Após o almoço os dois passaram umas quatro horas trancados no apartamento...
Genival e Claudia representaram muito bem a Verona Veículo. Ficaram quietinhos, mas também relaram o bucho.
Sebastião da Terral e Lívia prometeram e vieram.  Animados e participativos, sempre dispostos a contribuir.
Júnior Baixinho ressurgiu depois de muitos dias. Trouxe Andréa e Lavínia e disse que não passa de boato a estória de que sua bicicleta tá servindo de varal de toalha lá na casa de Dona Irene em Parelhas-RN.
Pedrinho de Acari veio com Deise e fez igual a guiné. Passou ligeiro na festa, mas tinha um motivo justo que foi acatado pela "Deretoria".
Enfim, a festa foi um sucesso. Tudo ocorreu conforme planejado e conseguimos harmonizar alegria com filantropia. Arrecadamos com o leilão o suficiente para adquirir cem lençóis que serão entregues ao Albergue Noturno de Natal, uma entidade que recebe pessoas vindas do interior do Estado para atendimento hospitalar na Capital e que não possuem condições de pagar uma hospedagem.
Resta tão somente agradecer a todos e ficar aguardando o arraiá do próximo ano.
Paradinha no Mendes para hidratar

Momento Macumba

Paradinha para comer doce caseiro

Chegada em Monte Alegre-RN

A Quadrilha

Camboim, André e Fabiano Silva.

Eis a primeira dama do Bike Tirol.

Da direita para esquerda: Bia (Bené), Alícia (André), Maria Eduarda (Camboim), Júlia (Afonso) e as outras duas que ainda não descobri o nome: futuro do pedal.

Reunião das primeiras damas.
Postar um comentário