16/05/2011

Restauração da Monareta

Amanhã vou iniciar a primeira etapa da restauração da Monareta e vou compartilhar com vocês todo o processo.
Encontrei um cara na Zona Norte, próximo ao meu trabalho, que trabalha com restauração de bicicletas antigas e amanhã levarei a minha para uma consulta.
Sugestões sobre locais físicos e virtuais para aquisição de peças e acessórios serão bem vindas.
Aguardem cartas e por hora fiquem com algumas fotos do ANTES.

DIA 17 de maio de 2011:

Levei a Monareta na garupa do carro e fui trabalhar. No caminho parei no Nordestão da estrada da Redinha pra fuçar na banca de revista e mal desci do carro já apareceu o primeiro curioso: "Êta p...isso é uma monareta?". Contei até três, esqueci o meu lado Lunga e disse: "É sim". Achei que a conversa tinha encerrado, mas o cabra queria assuntar: "É pra vender?". Contei até cinco e disse: "Não, trouxe a bichinha pra passear na Zona Norte e rever uns conhecidos na Praia da Redinha". O cabra ou não entendeu ou entao era doido (acho a segunda hipótese mais provável, pois segundo o povo aqui de casa eu posso me aposentar e colocar um hospício, pois nunca viram uma pessoa pra atrair tanto doido quanto eu) e continuou a conversa: "Tá meia acabada, tá faltando isso, tá faltando aquilo...". Vi que o papo ia longe e resolvi encurtar o assunto: Na verdade eu trouxe para uma oficina e vou deixá-la tinindo. Ele, dando-se por satisfeito, falou: "então tá bom".
Cheguei no estacionamento do trabalho e fiquei olhando pela janela do 2º andar. Não demorou muito e logo surgiram uns três curiosos que ficaram admirando a bicicleta. Mais tarde chegou uma das moças da limpeza e disse: "Doutor, botaram uma bicicleta veia pendurada no seu carro". Só me restava rir.
Na hora marcada cheguei no local da consulta (Ari Bicicletas) e o Doutor já estava esperando e me recebeu com um sorriso que fez a boca de Cicarelli parecer uma tampa de Crush amassada ao meio. Nem me deixou tirar a bicicleta do transbike e já foi dizendo: "Uma monareta, por causa de uma dessa eu perdi a minha primeira comunhão". Já foi colocando a bicicleta com as rodas pra cima e começou o diagnóstico. Eu ao lado somente apreciando. Perguntou qual seria a cor e antes que eu respondesse, já tratou de apresentar duas sugestões. Acatei uma, pois era a que estava no meu pensamento. Fez uma série de sugestões, condenou algumas peças e descobriu uma solda que até então eu não tinha visto. Fizemos nossas contas, assinamos o contrato e agora resta aguardar.
Ah, a cor escolhida eu não vou contar agora.





Dia 21 de maio de 2011
Estava em Bananeiras-PB quando recebi uma ligação de Ari informando que a Monareta estava pronta. Disse a ele que estava fora da cidade e que somente na segunda-feira iria buscá-la.

Dia 23 de maio de 2011

Acordei cedinho e fui deixar as crias na escola. Fui trabalhar e no final do expediente fui buscar a bicicleta. Cheguei e já era aguardado por Ari e seu assistente. O homem foi pegar a bicicleta que estava guardada dentro da casa, pois segundo ele diversos curiosos já tinham perguntado se era pra vender. Olhei e gostei do que vi. A cor ficou de acordo com as minhas expectativas e o serviço de pintura ficou bem feito. Paguei o homem, coloquei a bicicleta no suporte do carro e segui meu rumo. 
No final da tarde chegou a hora de fazer o "teste bike". Quando olhei de lado já estavam Guilherme e Claudia Celi querendo "experimentar". Dei umas voltinhas e constatei que o freio ficou na Zona Norte, mas tudo bem. Amanhã se o tempo tiver bom vou pedalar de Monareta na Rota do Sol.
Vou agora preparar o meu requerimento para ingressar no Monareta Clube Natal,
Confiram as fotos.
Ari (camisa verde) e seu assistente.

Rapadura Azul






Postar um comentário