08/01/2011

Viagem do Elefante - 3º Dia: João Câmara-Macau


Após uma noite fria na terra dos tremores acordamos às 06h00min e iniciamos os preparativos para mais um dia de jornada. Tomamos café da manhã no restaurante Sal da Terra e às 07h30min estávamos prontos.
O dia começou com um pouco de tristeza para mim, pois a minha esposa Claudia e meu filho Guilherme voltaram para Natal e sei que eles gostariam de acompanhar todo o trajeto, mas esse não foi o planejado e com certeza eles compreenderam.
Refeito da despedida, mas convicto do meu projeto subi na bike na companhia ilustre de André, Artur Martins, Fabiano, Helena (voltou ao grupo hoje) Jadson, Milton, Neide, Othon, Raimundo e Sérgio e começamos a  encarar a BR 406 rumo ao nosso terceiro destino: a gloriosa cidade de Macau, conhecida por suas salinas e o seu carnaval do "mela".
104 Km teriam que ser vencidos e foram. O vento foi nosso parceiro e o asfalto bem conservado também contribuiu muito. O ponto negativo foi a falta de acostamento e o trânsito intenso de caminhões, sempre forçando a nossa saída para o lado.
Hoje o sol resolveu mostrar sua cara e nos acompanhou durante quase todo o trajeto. Foi suportável, principalmente no ponto que a brisa do mar começou a chegar pela lateral.
Após 15 Km de pedal a nossa primeira parada obrigatória: o pneu traseiro da minha bike foi atingido por um vidro. Agora a equipe tá mais ágil e enquanto alguns trocam a câmara os outros já providenciam o remendo na que foi furada.
Vencidos 36 Km paramos na comunidade de Aroeira Direita e ali nos deliciamos com uma melancia e água gelada vendidas numa barraca na beira da pista. A dica foi de Miltinho, cliente assíduo do lugar.
Um pouco adiante passamos dentro da cidade de Jandaíra.
No Km 60, desta feita por indicação de Jadson, chegamos na comunidade de Campo Verde e ali mora a mãe do nosso colega ciclista Tácio. Fomos recebidos com muito carinho e como o calor estava intenso (11h00min) nos foi ofertado um tanque com água fria, bem como um cafezinho com bolacha e bolo, refrigerante e água gelada. Um verdadeiro maná. Após os devidos agradecimentos e os respectivos registros fotográficos seguimos viagem.
Mais adiante, no Km 70, chegamos em Baixa do Meio e mais uma vez fomos recepcionados com uma magnífica água de côco, na residência de Dedé, tio do biker Fabiano. Agradecidos continuamos o nosso trajeto.
Desde o momento que saímos de João Câmara recebemos ligações de Jean, ciclista de macau, querendo saber o horário de nossa chegada, pois fazia questão de nos receber na companhia de bikers da cidade.
Às 13h00min chegamos em Macauzinho e de longe avistamos um ciclista vindo em nossa direção: Seu nome era Chan, integrante do grupo Ciclistas do Asfalto. Um pouco mais adiante encontramos os demais componentes: Gringo, Jean e Netinho, que se juntaram ao grupo e nos conduziram para almoçar no Centro Comercial da cidade, tudo com apoio da Prefeitura Municipal de Macau, que soube reconhecer a importância do evento. Obrigado.
Os colegas bikers de Macau são muito prestativos, inclusive um deles, o Gringo, conseguiu uma motocicleta e foi com Artur Martins verificar a possibilidade de fazermos o trajeto amanhã por dentro da salina, tendo em vista as chuvas ocorridas na semana.
Nesse momento uma parte do grupo, dentre os quais eu, encontra-se hospedada na casa de Fábio Sá, amigo de Serginho, enquanto os demais estão na casa do irmão de Helena.
Artur chegou com Gringo e trouxe informações sobre o terreno  de amanhã: inicialmente estrada de barro por 12 Km, com muita costelinha. Depois uma travessia de rio e em seguida 03 Km em barro, que somente é possível transpor se não tiver chovido. Para finalizar mais uns 10 Km de areia fofa, para somente então chegarmos ao asfalto nas proximidades de Porto do Mangue. De lá seguiremos pela Costa Branca. Se amanhecer com chuva tal trajeto fica impossibilitado, restando seguir por Pendências. Trecho mais longo e que eu gostaria de evitar.
Exatamente agora recebi um telefonema de Alex Polary, ciclista de Mossoró, que está vindo com outros colegas ao nosso encontro. Por telefone eles informaram que é possível o caminho por dentro da salina e vão fazer o possível para chegar a tempo de nos guiar pelo caminho. Aguardo um telefonema dele mais tarde para definir tal questão.
Desde já informo que o meu propósito é pegar o barro, pois sou cria do mountain bike e o asfalto não é muito minha praia.
A noite iremos jantar em Alagamar, na casa de Winston, irmão da biker Helena. O jantar será uma massa, feita por ninguém menos que Alexandre Pinto, esposo de Helena. Registre-se que Alexandre vem também fazendo fotos durante alguns trechos.
Agora vou lavar roupa e descansar um pouco, pois amanhã o nosso destino é a terra do sol e do sal, o lugar que expulsou Lampião vai receber os Rapaduras de braços abertos. Que venha Mossoró!!!
Já foram percorridos 260 Km.
Postar um comentário